As defesas do impossível

22 03 2007

Apetecia-me copiar-te num mundo de pó
ou de casinhas de palha
ou de outra coisa qualquer
daquelas a que basta um sopro dos céus
ou uma viração da má têmpera do mar
para desabar inapelavelmente.
E desses garatujos de carvão,
numa folha de papel
ou nas estradas curvas do cérebro
ser artesão
ser mentiroso escorpião
e crer neste ânimo de salvação
para reconstruir tudo à mão,
com um qualquer desses cimentos
carregados por pardos jumentos
e fazendo do refazer
rodear-me de uma muralha
como quem se abestalha
e na besta renascida
ver sopro de vida
ver alma protegida
e apagar-te do meu lado
como se cá não tivesses estado.





Admirável Casa Nova

15 03 2007

Sejam bem-vindos à nova casa do Grão de Pó.