Amores (jogos cristalizados)

30 01 2006

Cansei-me dos cupidos urgentes
e dos lamentos ardentes
de espécimes carentes.
E desses gumes pungentes
com que talhas as gentes
quais troféus decadentes
dessas guerras de amores indecentes.

Cansei-me das ruínas cinzentas
de utopias pardacentas
de paixões sempre lentas.
E dessas miradas isentas
das amantes peçonhentas
das dentadas raiventas
dessas guerras de paixões quezilentas.

Como lhes caiem as máscaras…
aos guerreiros do amor
se lhes revelam as faces de jogador.
Mas…
se amar é jogar
vou esconder as apostas
vejo-me sem pagar
no espelho das tuas costas.
Desse jeito mentiroso não jogo,
deita fora as cartas e os dados, por favor
se, por mim, não passas a mão pelo fogo
não atiço, por ti, uma chama de amor.

Anúncios

Acções

Information

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: